segunda-feira, 14 de setembro de 2009

PADRES DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL, ATENÇÃO !


"Vós, diz Cristo, Senhor nosso, falando com os pregadores, sois o sal da terra: e chama-lhes sal da terra, porque quer que façam na terra o que faz o sal. O efeito do sal é impedir a corrupção; mas quando a terra se vê tão corrupta como está a nossa, havendo tantos nela que têm ofício de sal, qual será, ou qual pode ser a causa desta corrupção? Ou é porque o sal não salga, ou porque a terra se não deixa salgar. Ou é porque o sal não salga, e os pregadores não pregam a verdadeira doutrina; ou porque a terra se não deixa salgar e os ouvintes, sendo verdadeira a doutrina que lhes dão, a não querem receber. Ou é porque o sal não salga, e os pregadores dizem uma cousa e fazem outra; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes querem antes imitar o que eles fazem, que fazer o que dizem. Ou é porque o sal não salga, e os pregadores se pregam a si e não a Cristo; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes, em vez de servir a Cristo, servem a seus apetites. Não é tudo isto verdade? Ainda mal!


Suposto, pois, que ou o sal não salgue ou a terra se não deixe salgar; que se há-de fazer a este sal e que se há-de fazer a esta terra? O que se há-de fazer ao sal que não salga, Cristo o disse logo: Quod si sal evanuerit, in quo salietur? Ad nihilum valet ultra, nisi ut mittatur foras et conculcetur ab hominibus. “Se o sal perder a substância e a virtude, e o pregador faltar à doutrina e ao exemplo, o que se lhe há-de fazer, é lançá-lo fora como inútil para que seja pisado de todos.” Quem se atrevera a dizer tal cousa, se o mesmo Cristo a não pronunciara? Assim como não há quem seja mais digno de reverência e de ser posto sobre a cabeça que o pregador que ensina e faz o que deve, assim é merecedor de todo o desprezo e de ser metido debaixo dos pés, o que com a palavra ou com a vida prega o contrário."


Sermão de Santo Antônio - VIEIRA, Antônio in Sermões, organização Alcir Pécora, Tomo I, 1a edição, São Paulo, Editora Hedra, 2000, ps. 317/318

6 comentários:

D disse...

Indireta bastante direta.

Henrique Rossi disse...

mui verdadeiro, como sempre!

xô padres de passeata!

soudeesquerda disse...

"a propriedade dos meios de produção - tanto a propriedade privada como a pública ou coletiva – só é legítima na medida em que serve ao trabalho" ("Laborem Exercens", nº 14) "o trabalho é uma chave e provavelmente a chave essencial de toda a questão social" ("Laborem Exercens", nº 3) http://www.miliciadaimaculada.org.br/v2/vozigreja_det.asp?ID=14

Bandeirante, deixa eu lhe fazer uma pergunta, de socialista pra reacionário: porque será que hoje as únicas zonas de crescimento no mundo são as dominadas pelo socialismo? Se o capitalismo é tão bom como você fala, se a direita é tão tão, porque são os países com governos socialistas / comunistas que estão crescendo tanto hoje???

D disse...

Ro, comecei a ler o Joyce e tenho uma pergunta: Que tipo de chá Joyce tomava? Cogumelo?

Bjo!

Henrique Rossi disse...

Ao caro soudeesquerda,

Continue com essas boas leituras! Quer a verdade? Consulte os seus guardiões!

Henrique Rossi disse...

Ô primão!

Você precisa aparecer mais no meu blog. A coisa anda bem divertida por lá!! :) Acho que estou defendendo bem a nossa causa!